A alimentação da mãe durante a gravidez, e da criança, do nascimento até o final do segundo ano de vida, exerce influência direta na saúde do bebê até a vida adulta. Conhecida como programação metabólica, a exposição a uma alimentação inadequada e/ou precoce nos primeiros mil dias da criança (da concepção aos 2 anos de vida) aumenta o risco de desenvolver alergias e ganhar peso excessivamente, e, como consequência, eleva as chances do aparecimento de doenças relacionadas à obesidade, diabetes, hipertensão e aterosclerose no futuro.

Segundo as recomendações do Ministério da Saúde brasileiro e da Organização Mundial da Saúde (OMS) os alimentos complementares devem ser introduzidos aos 6 meses de idade, quando as necessidades nutricionais da criança já não são mais atendidas só com o leite materno, embora este ainda continue sendo uma importante fonte de calorias e nutrientes, devendo ser mantido até 2 anos ou mais.

A orientação para que a introdução alimentar complementar ocorra a partir do sexto mês de vida do bebê, e não antes disso, tem seus motivos. É nesta idade que o bebê apresenta maior maturidade fisiológica e neurológica para receber outros alimentos, como por exemplo, a diminuição progressiva do reflexo de protrusão da língua, o que facilita a ingestão de alimentos semissólidos, a produção de enzimas digestivas em quantidade suficiente para esta fase e o desenvolvimento da habilidade de sentar, o que permite o uso de colher ou o pegar dos alimentos com mais facilidade.

A introdução progressiva das refeições

A primeira papa principal deve ser oferecida a partir do sexto mês, no horário do almoço ou jantar, conforme o horário em que a família estiver reunida, completando-se a refeição com o leite materno até que a criança se mostre saciada apenas com a papa.

As frutas in natura, preferencialmente sob a forma de purê, devem ser oferecidas nesta idade. Para evitar que a criança se sacie com muito líquido, os sucos devem ser evitados. Á agua é bem vinda ao longo do dia, entre as refeições.

Do sétimo ao oitavo mês a segunda papa principal deve ser introduzida.

Dessa forma, dos seis aos onze meses, a criança amamentada estará recebendo três refeições com alimentos complementares ao dia (duas papas principais e uma de frutas) e leite materno em livre demanda. Para a criança que não estiver em aleitamento materno é recomendado que receba cinco refeições (duas papas principais e três de leite) além das frutas.

A respeito das quantidades, a orientações é iniciar com uma a duas colheres de chá, colocando-se o alimento na ponta da colher e aumentando o volume conforme a aceitação da criança. A exposição frequente a um determinado alimento e a criatividade na preparação e na apresentação facilitam a aceitação. Em média, são necessárias de 8 a 15 exposições ao alimento para que ele seja plenamente aceito pela criança.

Como a papa deve ser composta?

Diferente do passado, a recomendação atual preconiza que desde os 6 meses exista a introdução de ovos e peixes sem espinhas, visando à aquisição de tolerância e à redução do risco de alergia alimentar. A refeição deve conter pelo menos um alimento de cada um dos seguintes grupos:

 

Cereais ou tubérculos: Arroz, milho, quinoa, cevadinha, mandioca, cará, inhame, macarrão.

Leguminosas: feijão, soja, ervilha, lentilha, grão de bico.

Carnes: bovina, aves, suína, peixe ou vísceras, em especial o fígado, ou ovo.

Hortaliças: verduras e legumes.

 

Até 1 ano de idade, as restrições alimentares ficam por conta do consumo de sal (preferir ervas e especiarias) e mel, a fim de evitar o risco de contaminação por botulismo. Segundo a OMS, o açúcar deve ser evitado até os 2 anos

A consistência dos novos alimentos

Embora nos consultórios pediátricos o termo “papa salgada” “papa principal” ou “papinha” seja muito utilizado, os alimentos oferecidos na introdução alimentar em nada se parecem com uma sopa homogênea de consistência líquida e com aparência e sabor monótonos.

No princípio da introdução alimentar, aos 6 meses, os alimentos devem ser bem cozidos e amassados no garfo, nunca liquidificados ou peneirados. Nessa idade, o estômago do bebê tem o tamanho reduzido e a administração de alimentos muito diluídos irá saciar a criança, sem, contudo, oferecer quantidade adequada de calorias e nutrientes. A aparência e consistência devem ser a de um purê.

Ao invés de misturar todos os alimentos, apresenta-los separadamente para que a criança reconheça o que está sendo consumido e desenvolva aos poucos o paladar e as preferências alimentares é o mais recomendado. A identificação de sabores, aromas e texturas dos mais diversos alimentos oferecidos dá início a uma verdadeira educação alimentar.

A consistência da comida deve aumentar progressivamente, de forma que aos 9 meses a criança inicie o consumo de alimentos semissólidos.Sabe-se que as crianças que não recebem alimentos em pedaços até os 10 meses apresentam, posteriormente, maior dificuldade de aceitação de alimentos na sua forma integral.

Aos 12 meses a criança deve receber a refeição com consistência semelhante à da família.

Cuidados com a higiene

Um aspecto importante a ser comentado é que o pico de incidência de doenças diarreicas ocorre durante o segundo semestre de vida, ocasião em que se inicia a ingestão de alimentos complementares. Isso chama a atenção também para o cuidado com a fonte desses alimentos, o preparo, o estoque e a conservação.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Dewey K. G. & Brown K. H. Update on technical issues concerning complementary feeding of young children in developing countries and implications for intervention programs. Food and Nutrition Bulletin, vol. 24, no. 1: 5-28, 2003. Disponível em: http://www.who.int/mip/2003/other_documents/en/FNB_24-1_WHO.pdf

Euclydes, MP. Crescimento e Desenvolvimento do Lactente. In: Euclydes, MP (Ed). Nutrição do Lactente. Viçosa, MG, 2005. P.3-80.

Lucas A. Programming by early nutrition in man. In: Bock GR, Whelan J, editors. The childhood environment and adult disease – CIBA Foundation Symposium 156. Chichester, UK: Wiley; 1991. pp. 38-55.

Lucas A. Programming by early nutrition: an experimental approach. J Nutr. [Review]. 1998 Feb;128(2 Suppl):401S-6S. 8.

McCay CM. Is longevity compatible with optimum growth? Science. 1933 Apr 28;77(2000):410-1.

Monte CM, Giugliani ER. Recommendations for the complementary feeding of the breastfed child. J Pediatr (Rio J). [Review]. 2004 Nov;80(5 Suppl):S131-41.

Ozanne SE, Hales CN. Lifespan: catch-up growth and obesity in male mice. Nature. 2004 Jan 29;427(6973):411-2.

Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Comitê de Motricidade Orofacial. Documento oficial 04/2007 do Comitê de Motricidade Orofacial da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. São Paulo, Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, 2007.

Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento de Nutrologia. Manual de orientação para a alimentação do lactente, do pré-escolar, do escolar, do adolescente e na escola. 3. ed. Rio de Janeiro, SBP, 2012.

Stevenson RD, Allaire JH. The development of normal feeding and swallowing. Pediatr Clin North Am 1991;38(6):1439-53.

Weffort VRS, Lamounier JA. Nutrição em pediatria: da neonatologia à adolescência. Barueri, Manole, 2009.

World Health Organization. Introduction. In: WHO. Complementary feeding of young children in developing countries: a review of current scientific knowledge. Geneva, 1998, chap. 1. pp 1-14.

World Health Organization. Physiological development of the infant and its implications for complementary feeding. Bull World Health Org 1989;67 (Suppl):55-67. • Zlotkin S. Canadian recommendations. Pediatrics. 2000 Nov;106(5):1272.

Weffort VRS. Alimentação do lactente. In: Weffort VRS, Lamounier JS. Nutrição em pediatria da neonatologia à adolescência. Barueri, SP: Manole, 2009.