Muitos pais, preocupados com a pouca frequência intestinal de seus filhos, procuram o consultório pediátrico já com um diagnóstico: meu filho tem intestino preso! Contudo, poucos conhecem os verdadeiros sintomas que definem a constipação intestinal.

O que é constipação intestinal?

A constipação intestinal é caracterizada quando há a presença de ao menos dois dos sintomas abaixo descritos com duração de um mês ou mais:

– duas defecações ou menos por semana;

– evacuações dolorosas ou fezes endurecidas;

– relato de retenção fecal excessiva;

– presença de massa fecal excessiva na parte final do intestino.

O que leva à constipação intestinal?

Fatores hereditários, a constituição corporal e até aspectos psicológicos podem influenciar o trabalho intestinal, sendo a alimentação um dos grandes contribuintes para o intestino preso.

Porém, não há alimentos ou bebidas que quando consumidos tem a capacidade de promover a constipação por si só. Crianças em aleitamento materno exclusivo, cujo hábito intestinal é caracterizado por evacuações frequentes e fezes sem forma, ao serem introduzidas às fórmulas infantis mudam seu padrão intestinal,o que é totalmente normal e acaba confundindo os pais, uma vez que progressivamente as fezes tornam-se mais firmes e a frequência de defecação diminui.

A mudança nas características do hábito intestinal pode ser relatada pela família como constipação porque os pais associam a redução da frequência de evacuação e a maior firmeza das fezes, somados ao esforço para defecar, não presentes no aleitamento materno e que naturalmente passam a ocorrer após a modificação para fórmula infantil. Esta situação tende a mudar com o tempo, uma vez que o aparelho digestivo destes bebês está em franco amadurecimento. Basta um pouco de paciência e insistência ao novo padrão alimentar.

O padrão das fezes nos bebês varia muito. Uns evacuam toda vez que mamam, outros uma vez por dia, alguns três vezes no dia. Às vezes as fezes tem consistência mais líquida, outras vezes é pastosa, com ou sem grumos. A cor também pode variar bastante, de amarelo até marrom claro. Isso é normal e pode acontecer tanto com os bebês que mamam no peito quanto com os que tomam a fórmula infantil. Não há uma regra única.

O intestino do bebê nos primeiros meses de vida está em fase de “amadurecimento” e cada um tem o seu padrão e sua resposta individual à alimentação oferecida.

Portanto, dizer que fórmulas infantis constipam bebês é um mito que deve ser combatido.

Intestino regular, um dos 10 sinais da boa nutrição.

Dentre os 10 sinais da boa nutrição, o funcionamento regular do intestino é um importante indicativo. Conhecendo os critérios que diagnosticam a constipação intestinal, os pais devem estar atentos não só à frequência de evacuação, mas também à consistência das fezes e à capacidade de esvaziar o intestino a fim de evitar angustias da família e assegurar o ritmo intestinal individual da criança.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Hyman PE, Milla PJ, Benninga MA, Davidson GP, Fleisher DF, Taminiau J. Childhood funcional gastrointestinal disorders: Neonate/ Todler. Gastroenterology, 130:1519-26. 2006.

Moraes MB, Maffei HBL. Constipação intestinal. J. Pediatr. 76 (supl. 2): S147-S156. 2000.

Aguirre ANC, Vitolo MR, Puccini RF, Morais MB. Constipação em lactentes: influencia do tipo de aleitamento e da ingestão de fibras. . J. Pediatr. 78 (3): 202-208. 2002

Motta MEFA. Constipação no lactente. Nestle Nutrition Institute. http://www.hostlumen.com.br/sociedade/public/admin/files/artigos/separta%20ConstLactente%5Bdra.%20eug%EAnia%5D.pdf . Citado em 20/03/2014.

Sociedade Brasileira de Pediatria. Constipação intestinal em Pediatria. http://www.sbp.com.br/show_item2.cfm?id_categoria=24&id_detalhe=936&tipo_detalhe=s . Citado em 20/03/2014.